segunda-feira, 10 de outubro de 2016

A reserva de Palmela do Pingo Doce!


Temos evidenciado nos últimos anos uma exigência crescente do consumidor na compra de vinhos. Aliado à crise financeira do nosso país, verificámos que nunca se discutiu tanto sobre a relação qualidade/preço. Surge no mercado novos consumidores que procuram mais por menos. Atentos a este movimento do mercado, os grandes tubarões da distribuição têm investido e presenteado o consumidor com vinhos de marca própria com excelente qualidade. Hoje venho falar de uma reserva da marca própria Pingo Doce produzido pela famosa Casa Ermelinda Freitas.

Em prova cega, este vinho poderia ter vários rótulos sem nunca se descobrir que estamos perante um vinho de marca própria. Aliás ainda arrisco a dizer que caso tivesse outro rótulo teria uma cotação ainda mais elevada em aplicações de vinhos. A verdade é que este produto ganhou mais prémios internacionais que algumas marcas conceituadas.

Feito a partir da casta castelão, a rainha da região demarcada de Palmela, é um vinho encorpado de cor granada e no nariz muito aromático e complexo com notas de frutos vermelhos e madeira. Na boca com bom volume, redondo com taninos polidos e bastante elegante

A boa notícia, é que é um vinho que custa nas prateleiras 2,49€ e compete a um nível mais elevado.

Deixo a sugestão e aguardo o vosso feedback.  



2 comentários:

  1. Provado e degustado...é um vinho delicioso!
    Absolutamente surpreendente no preço.
    A minha ignorância é não saber se contém alguma artificialidade na sua composição. Para já, conquistou-me.
    Carlos Baptista

    ResponderEliminar
  2. Também tenho procurado e muito, mais informação acerca deste néctar, cá em casa consome-se o Vinha do Rosário, que por sinal tb tem um Reserva, mas a denominação é Península de Setúbal, esta Reserva diz Palmela, por esse motivo, trocou-me as voltas, quanto ao Reserva, nota-se de inicio uma pequena acidez, mas logo trás um final de boca excelente, uma sugestão abrir talvez 15/30 minutos antes de degustar.
    Carlos Pereira

    ResponderEliminar